Guia para comprar seu imóvel

Guia para comprar seu imóvel

Mercado imobiliário

20/06/2022

Quer comprar um imóvel? Deixe que a gente te acompanhe nesta jornada e tenha o melhor lugar do mundo para você: o seu. Preparamos com carinho um guia para você comprar o seu imóvel. E se for na região dos Lagos, melhor ainda!

Quer comprar um imóvel? Deixe que a gente te acompanhe nesta jornada e tenha o melhor lugar do mundo para você: o seu. Preparamos com carinho um guia para você comprar o seu imóvel. E se for na região dos Lagos, melhor ainda!

 

São vários os motivos que fazem a gente pensar em adquirir um lugar para chamar de nosso: casamento, investimento, os altos preços dos aluguéis ou até uma oportunidade de ouro que se avizinha. Aportar tantos recursos em uma casa ou apartamento requer sabedoria, coragem e muita responsabilidade para que tudo dê certo.

 

Cuidar de um imóvel, deixando do nosso jeitinho, é uma das coisas mais gratificantes que existem na vida adulta. Mesmo que a aquisição seja encarada como um investimento, é necessário estudar as possibilidades para acertar em cheio na escolha mais rentável. E para quem cansou de viver isso só na imaginação ou nos jogos de computador, é fundamental saber quais movimentos realizar para não se enrolar no momento crucial.

 

Enfim chegou a hora de mais uma realização na sua vida: comprar um imóvel. Mas essa hora chegou mesmo? Já está ciente de todo processo, já se preparou para esse momento ou ainda está na fase inicial de tornar realidade essa conquista? De qualquer forma, fizemos este guia para poder absorver conhecimento importante sobre esse passo tão significativo na sua trajetória.

 

Se preparar é preciso

 

 

A fase de planejamento evita que você encontre problemas previsíveis no meio da jornada. É aqui também que você descobre a faixa de gastos mensais adequada ao seu perfil. Não adianta financiar um imóvel sem saber se conseguirá honrar todas as parcelas sem se complicar, não é mesmo?

 

Pense nas suas necessidades atuais e futuras. Pretende aumentar a família? Casar? Montar um escritório ou local de trabalho em casa? Ter calma na hora de fechar negócio é primordial para você aproveitar plenamente o lugar que escolheu.

 

Organizar as finanças, cortando gastos desnecessários e reservando uma fração dos rendimentos para compor o montante para a entrada é uma ótima tática. Assim, você se prepara economicamente e pode ter valores mensais a pagar muito mais interessantes.

 

Na planta ou pronto para morar?

 

 

Uma boa opção para quem não tem muito para dar de entrada é optar por adquirir um imóvel na planta. Nessa modalidade, é possível diluir a entrada nas primeiras parcelas com a construtora e financiar o resto diretamente com o banco. Outra vantagem é que até a entrega das chaves você terá tempo para reunir recursos até que o financiamento comece e as parcelas comecem a aparecer.

 

No caso dos imóveis prontos para morar, a conversa é com a instituição financeira. O SFH (Sistema Financeiro da Habitação) é um programa de crédito habitacional que faz parte do SBPC (Sistema Brasileiro de Poupança e Crédito). O SFH existe desde 1964 sendo criado pelo governo federal com o objetivo de oferecer parcelamento a longo prazo com juros baixos para as famílias que desejam financiar um imóvel.

 

Mesmo tendo quase 60 anos, muita gente não sabe da sua existência. O financiamento via SFH pode abranger até 80% do valor do imóvel, com o limite de R$1,5 milhão na avaliação. A taxa de juros anual é fixa e o prazo do empréstimo pode chegar a até 35 anos.

 

Para conseguir o acesso a esse subsídio, é necessário comprovar que o financiamento e o pagamento de taxas e impostos fiquem dentro do limite de 30% da sua renda bruta mensal. Esses encargos, que incluem a avaliação do imóvel, a emissão do contrato, serviços de cartório e, após a assinatura, o pagamento do ITBI (imposto de transmissão de bens imóveis), podem chegar a 5% do valor do imóvel.

 

Guia para comprar o seu imóvel: usando o FGTS

 

O seu FGTS também pode ser utilizado para pagar o empréstimo e, inclusive, quitar a dívida. Para usar os recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, é necessário ter, no mínimo, 3 anos de contribuição (consecutivos ou não), além de não poder ter outro financiamento ativo no SFH e não possuir nenhum outro imóvel residencial urbano, construído ou em construção.

 

Para ter acesso ao SFH é necessário ser brasileiro, naturalizado ou com visto permanente para estar no Brasil. Além disso, a pessoa precisa ter mais de 18 anos (ou emancipado após os 16 anos), além de não possuir restrições em cadastros como SPC, SERASA, BACEN e Receita Federal, além de, óbvio, possuir renda comprovada suficiente para honrar o financiamento.

 

A contratação de seguros, com pagamentos mensais sendo feitos com as prestações, são obrigatórios e previstos na legislação. O DFI (Seguro Contra Danos Físicos do Imóvel) é calculado a partir do valor do bem e garante indenização em caso de desmoronamentos, alagamentos e incêndios. Já o MIP (Seguro por Morte e Invalidez) tem como objetivo garantir a liquidez da dívida em caso de falecimento do comprador.

 

Quem procura (sabendo o que quer) acha

 

Falando mais um pouco sobre a diferença entre imóveis prontos para morar e aqueles adquiridos na planta, ao observar os pontos fortes e fracos de cada um é possível refinar a busca até localizar as melhores opções nos dois casos.

 

Como dito anteriormente, os imóveis na planta têm a entrada facilitada pelas construtoras, além da possibilidade de pequenos ajustes antes da entrega. Entre as desvantagens estão o tempo de conclusão das obras, que em média leva 36 meses, e um eventual atraso na entrega.

 

Já as unidades prontas para morar são mais visadas por quem quer residir em regiões sem novos empreendimentos, além de ser possível utilizar o FGTS para pagar. Os imóveis na planta também podem contar com esse recurso para serem quitados, porém nesse caso o FGTS só poderá ser usado a partir do momento da entrega das chaves.

 

Entre as desvantagens, a obrigação de dar 20% do valor do imóvel como entrada, o que inviabiliza o financiamento para quem não tem esse montante guardado. Além disso, os eventuais ajustes antes de entrar no apartamento ficam inteiramente por conta do comprador.

 

Na pesquisa vale, novamente, colocar na ponta do lápis os objetivos presentes e futuros relacionados ao imóvel. Está procurando para investir, para alugar por temporada ou para morar? Prefere um bairro mais tranquilo e afastado ou uma região mais acessível e agitada? É próximo ao trabalho ou ao colégio/faculdade dos filhos? Há hospitais próximos para um socorro mais rápido aos idosos?

 

É interessante olhar também para imóveis que extrapolam um pouco a faixa de valor almejada. Dependendo da negociação, é possível conseguir um belo desconto que faça esse sonho um pouco mais caro se tornar realidade. Com o planejamento correto, é possível se preparar e arcar com as obrigações, mesmo que maiores do que o imaginado inicialmente.

 

Planejou, pesquisou e escolheu. E agora?

 

A etapa de decisão é a mais crítica do processo de compra de um bem imóvel. É aqui que a falta de planejamento pode cobrar caro pela falta de atenção aos detalhes. Olhando a parte mais burocrática da realização desta conquista, que tal olhar toda a documentação necessária?

 

Você vai precisar de cópias do CPF e RG (ou carteira de motorista), comprovante de residência, comprovante de renda dos três meses anteriores, certidão de casamento, união estável ou nascimento (se for solteiro), declaração do Imposto de Renda,

Carteira de Trabalho e extrato do FGTS (caso ele seja utilizado na compra).

Caso você seja um profissional autônomo, pode comprovar sua renda por meio de um contrato de prestação de serviços, declaração de Imposto de Renda, do sindicato ou Comprobatória de Recepção de Rendimentos (Decore). Essa última é fornecida por um contador.

 

Além desses documentos relativos a você e seu cônjuge, há também a documentação do imóvel. A matrícula atualizada do mesmo é como uma certidão de nascimento do terreno. Ali você encontra informações que descrevem o bem, tais como endereço, metragem, a comprovação da propriedade, o registro de compra e venda, o tipo de construção realizada, benfeitorias, averbações e possíveis alterações executadas.

Essa matrícula é emitida pelo Cartório de Registro de Imóveis da sua cidade. É essencial também obter uma declaração de quitação do IPTU, de quitação do condomínio, e as últimas contas de água e luz. Assim, você fica seguro que não há pendências atreladas ao bem.

 

O proprietário por sua vez deve apresentar Certidão do Cartório de Protesto, para atestar que não há pendências no CPF ou CNPJ de quem vende, Certidão Cível e Criminal, para excluir a possibilidade de algum problema com o nome do proprietário em algum Fórum Estadual, Certidão Trabalhista (para atestar que está em dia com a Justiça do Trabalho), Certidão Negativa da Justiça Federal (para comprovar que está tudo bem com relação a essa esfera) e a Certidão de Regularidade Fiscal, que confirma a ausência de problemas com a Receita Federal.

 

 

 

Conte com a Volendam para realizações sem imprevistos

 

Somos especialistas em realizar sonhos. Na Região dos Lagos, colecionamos histórias de sucesso por saber ouvir o que nossos clientes querem e por encontrar as melhores opções no que diz respeito a segurança, conforto, lazer, acessibilidade e rentabilidade. Seja para olhar para o futuro, realizar investimentos imobiliários ou achar o melhor lugar para viver o presente, é muito melhor decidir quando não se está sozinho.

 

Nosso time é composto por profissionais multidisciplinares que aliam experiência e pesquisa de mercado para encontrar as melhores oportunidades para os nossos clientes. Se você precisa de ajuda no processo de negociação, para resolver a parte burocrática, ou dicas e recomendações de quem entende do assunto, converse com a gente. Assim é possível conquistar o imóvel dos seus sonhos sem contratempos e dores de cabeça .

 

 

Conheça nossos imóveis à venda

Temos algo especial para você

Veja mais